10 passos para uma Adaptação saudável entre novos gatos

Todos nós gostamos de uma companhia para bater um papo, assistir TV juntos, sair para jantar, não é mesmo? Os gatos não são diferentes. Alguns não gostam tanto, mas a maioria deles convive muito bem em pequenos grupos, e se ajudam, dormem juntos, brincam, e passam seu tempo descobrindo lugares diferentes da casa e criando laços de amizade.

No entanto, assim como nós, eles também não gostam de ninguém que chegue sem avisar, mexendo em suas coisas, dormindo em sua cama e tomando conta dos seus lugares preferidos da casa.

Por isso, ao pensar em adotar mais um felino para fazer parte da família, procure seguir todos os passos para uma introdução saudável do novo gatinho em sua casa. Quanto melhor for a apresentação entre eles, melhor será sua relação, e mais chances você criará para que eles possam enxergar essa surpresa como algo positivo, e não fiquem com ciúmes ou se sintam ameaçados a perder seu espaço.

Alguns gatinhos, quando acham que um outro pode tomar o seu lugar, seja no colo do seu humano, ou em seu cantinho preferido da casa, podem ter as mais diversas mudanças de comportamento, como: tristeza, alteração de humor, afastamento ou até mesmo agressividade.

Por este motivo, buscando alternativas para minimizar as consequências dessa mudança para eles, trazemos algumas dicas úteis para que você faça essa aproximação com todo o cuidado:

 

1.Certifique-se que o novo gatinho tenha todas as vacinas em dia, esteja bem de saúde, vermifugado e se possível faça um exame de fiv e felv, é legal também deixa-lo separado por um período de observação (quarentena). Consulte um veterinário caso tenha dúvidas;

 

2.Mesmo que os exames tenham dado todos ok, deixe o novo gatinho em um lugar separado dos antigos, pelos menos nos primeiros dias, com a sua própria caminha, coberta, arranhador, caixinha de areia, potinho de ração e água, para que ele não chegue tomando o espaço do outro;

 

3.Procure ir trocando as cobertinhas entre o novo gatinho e o antigo da casa, para que eles possam ir conhecendo o cheirinho um do outro, antes de se encontrarem;

 

4.Durante alguns dias troque-os de salas, para que eles conheçam o ambiente um do outro;

 

5.Ainda antes de se encontrarem, sem que os dois se vejam, faça uma interação entre eles, pode colocar uma linha com uma bolinha em cada ponta, entre a porta dos cômodos onde eles estão separados. Assim, os dois podem brincar juntos;

 

6.Para que a aproximação seja gradual, abra uma frestinha da porta e deixe-os se olharem. É normal que se estranhem e possam fazer fuuuu um ao outro; Se tiver um local com vidro para que um possa ver o outro sem ameaça-lo, pode ser uma boa alternativa (um box de banheiro, daqueles de vidro, pode ser uma opção para esse exercício).

 

7.Após se conhecerem pode deixá-los no mesmo ambiente, mas sempre com supervisão, para que o estranhamento não chegue a brigas. Mas, caso chegue, tente separar a briga com água ou fazendo muito barulho, como por exemplo falando alto, para que não achem que está favorecendo um ou o outro; É muito importante que você mantenha a calma, muitas vezes eles vão "se xingar" e ameaçar uma briga, ou até mesmo brigar e isso pode ser um pouco assustador para quem não esta acostumado, mas fique tranquila(o), faz parte do processo de adaptação entre eles, sua missão nessa etapa é simplesmente evitar que eles se machuquem.

 

8.Ao se verem, se cheirarem e ficarem tranquilos, você pode agradá-los com petiscos, eles vão ligar a aproximação a algo positivo e vantajoso. É muito importante que tudo que for feito pra um seja repetido para o outro, e que você sempre comece oferecendo petisco para o gato mais antigo da casa, para que o mesmo não se sinta prejudicado coma chegada do novato.

 

9.Nos primeiros dias de apresentação não pegue nenhum no colo na frente do outro, assim não haverá ciúmes; Mesmo que o novato seja um filhotinho muito fofo, resista a tentação para o bem dele.

 

10.Procure fazer carinho nos dois simultaneamente e falar calmamente com eles, para que não sintam diferença de tratamento entre os dois.

 

 

O processo de adaptação pode levar dias, semanas ou até meses, vai depender de como cada gatinho reage a mudanças, e da personalidade de cada um deles.

Tempo e paciência são o caminho para o sucesso. Não desista caso haja brigas, volte o processo e comece novamente. Ainda que demore, é essencial fazer todas as tentativas. E se mesmo após as tentativas eles não se tornarem amigos, vão pelo menos aprender a respeitar o espaço um do outro.

 

 

O Humano quer saber – O Veterinário responde

Nossos clientes e amigos tem dúvidas?

Nossos parceiros Médicos Veterinários esclarecem todas elas.

 

 @uuunderline: Eu tenho um gato e gostaria de adotar outro mas tenho medo do meu gato atual fugir/sumir (ele é castrado). Uma vez o irmãozinho dele voltou de uma cirurgia (infelizmente veio a óbito), ele o estranhou e ficou 9 dias fora. Enfim, tenho receio de ter outro gato e perder esse!

M.V. Debora Nogueira Paulino: O ideal é ir apresentado eles aos poucos, deixando o novo gatinho separado em um cômodo com água, comidinha e caixa de areia.  Pode deixar um paninho com cada gatinho durante o dia e pela noite troca-lo de gatinho, fazer carinho nos dois (a distância) e o principal, respeitar o tempo de cada um. Melhor investir tempo durante a aproximação do que posteriormente ter problemas de conivência.

 

@i_ibella14: Minha gata é super brava, mas tenho vontade de pegar mais gatinhos. Meu medo é ela não aceitar! Posso dar floral? Como faço para ela aceitar outro gatinho?

M.V. Debora Nogueira Paulino: Se a sua gatinha esta feliz sendo filha única, seria uma boa alternativa deixa-la assim. Às vezes por mais que nós humanos queremos aumentar a família devemos ser sensíveis as necessidade e temperamento do gatinho que já mora em casa. O floral pode ser um adjuvante, mas ele sozinho não fará grandes mudanças. Aproveita que sua gatinha é filha única e curta ao máximo a companhia dela.

 

@melcavalcante.fa: Tenho uma gata de 5 anos castrada , ela só gosta de mim, detesta meu marido e fica evitando ele, quero muito adotar outro um macho mas tenho medo dela maltratar o gatinho e não se acostumar, será que com o tempo ela aceita?

M.V. Debora Nogueira Paulino: Olá, este tempo de aceitação pode ser muito relativo, e pode até ser que ele não aconteça. O ideal seria deixar sua gatinha mais “a vontade” em casa, dividir o amor dela, com você e seu marido. Depois que isso estiver estabelecido talvez um outro gato seja melhor aceito por ela, lembrando de sempre respeitar o tempo de aproximação e ter paciência que é a chave do sucesso.

 

@mariacristinaannes: Tenho 9 gatas sendo que a última apareceu há uns 5 meses. Ela bate nas outras. Como evitar?

M.V. Debora Nogueira Paulino: Bater nos outros gatinhos pode ser por diferentes motivos, desde não ser castrada, até estar disputando algum recurso (pote de água, comida, caixa de areia, um espacinho no sofá, uma caminha, uma caixa de papelão entre outros). Importante observar o que desencadeia este comportamento dela, e a partir dai traçar um plano de tratamento e cuidados.

 

@lucianapedagogia16: Tenho dois gatos, fêmea e macho, as vezes eles estão brincando mas as vezes parece briga, quando preciso separar para que eles não se machuquem?

M.V. Debora Nogueira Paulino: Alguns gatinhos são mais intensos nas brincadeiras, quando é um caso de briga, agressividade os gatos em geral não são “amigos”. Seus gatos dormem juntos, se lambem, compartilham caixa de areia, caminha, comida e água provavelmente eles sejam amigos com brincadeiras intensas, mas que os dois conseguem se sair bem destes momentos.

 

@renata.borges2: Como faço para introduzir um bebê recém-nascido em uma casa com três gatos?

M.V. Debora Nogueira Paulino: Por ser um recém-nascido o ideal e ir mostrando ele aos outros gatos aos poucos, fazer troca de odores com os paninhos que o gatinho bebe usou, deixe disponível aos outros gatinhos. Quando ele estiver maior, na idade de conseguir interagir com os irmãos promova aproximação com fiscalização do humano responsável.

 

@millerackel: Tinha dois gatinhos e um deles faleceu, e a outra gata fica muito mais grudada comigo agora e tenho medo de ficar muito tempo fora de casa e ela ficar depressiva? O que eu faço? E essa dependência pode ser consequências da falta do outro?

M.V. Debora Nogueira PaulinoPode ser sim falta do outro, gatinhos também passam por período de luto. Você pode aproveitar o tempo com ela, fazendo carinho, promovendo interação positiva com brincadeiras, comidinha sache/patê ou alimento favorito. No geral quando estão sozinhos eles ficam descansando. Deixe o ambiente acolhedor a ela, com comidinha, água fresca, caixa de areia limpinha sempre disponível.

 

@duicananea: Tenho uma gata mas vou me mudar. Deixo minha gata na casa antiga com minha mãe ou levo comigo para casa nova? Como faço para ela se adaptar e não sofrer?

M.V. Debora Nogueira Paulino: Você pode leva-la sim! Mas é preciso preparar a casa nova para ela, usando Feliway® a fim de diminuir o estresse da mudança. No início deixe ela em um cômodo com comida, água, caminha e caixa de areia disponível e aos poucos (na primeira semana) vai deixando ela livre para conhecer a casa toda, depois que ela já conhecer a casa e estiver segura, distribua estes recursos pelos outros ambientes da casa nova.

 

 

Debora Nogueira Paulino Médica Veterinária              CRMV 30614 contatomaisgato@gmail.com Facebook: maisgatobrasil Instagram @maisgato

Médica veterinária formada pela Universidade Anhembi Morumbi em 2011, Pós graduada em clínica médica e cirúrgica de felinos pelo Instituto Equalis em 2013.Foi estagiária da Psicovet. Atualmente, pós graduanda em comportamento e bem estar animal pela UNIFEOB. Presta consultoria comportamental pela Mais Gato.

Palestrou sobre comportamento e bem estar felino  em eventos como: SEVAM em 2015 (Semana Acadêmica da Veterinária Anhembi Morumbi); na SACAVET em 2016 (Semana Acadêmica da Veterinária USP); Na USP Pirassununga em 2016, em transmissões ao vivo pela página da Mais Gato – Bem Estar Felino.

Tem artigo publicado sobre agressividade em gatos e outros artigos em andamento, falando de bem estar em ambiente de internação, enriquecimento ambiental, zooterapia com gatos e gatos em luto.

"Falar e cuidar de gato são minhas grandes paixões, sou fascinada pela etologia da espécie, sigo estudando a fim de melhor compreende-los e proporcionar um ambiente que atenda as necessidades individuais de cada paciente."

 

No Comments Yet.

Leave a comment