Crianças e gatos podem ser amigos?

A convivência com os animais, em todas as fases da nossa vida, traz muitos benefícios a nós e a eles. Ter um gatinho como amigo, para brincar, tirar cochilos juntos e conviver de forma harmoniosa, faz com que uma criança aprenda desde cedo a ter respeito pela vida, e criar laços de carinho que permanecem.

No entanto, quando já temos um gato e estamos planejando ter um bebê, surgem muitas dúvidas: como vamos passar a conviver com o gatinho de forma saudável na gravidez, sem riscos ao bebê, e até mesmo em como vamos ajudar o gatinho a criar uma relação saudável e amorosa com o novo membro da família. Da mesma forma, na situação inversa surge a mesma questão: qual a melhor forma de adaptar o gatinho adotado com nossos filhos.

Jamais pense em abandonar seu gato quando quiser ter um bebê, existem inúmeras formas de manter esta relação de carinho, deixando você, o bebê e o gatinho seguros. Trazemos algumas dicas para ajudar nesta fase de mudança.

 

Na gravidez 

Procure não mudar a rotina e o tratamento que da ao seu gatinho, dando a mesma atenção e carinho que antes, para que ele não se sinta deixado de lado com o nascimento do bebê.

Um grande receio na gravidez é em relação à toxoplasmose.  A toxoplasmose é causada pelo protozoário parasita toxoplasma gondii. E o contágio na gravidez pode causar sérios riscos ao feto.  A toxoplasmose NÃO é a doença do gato, ao contrário disto, o gato contrai a toxoplasmose da mesma forma que os humanos podem contrair, e com os cuidados necessários evitamos que nosso gatinho adquira a doença, e nos transmita.

As formas mais frequentes de contaminação de toxoplasmose são:

  • A ingestão de carne contaminada mal cozida ou crua;
  • A ingestão de alimentos contaminados por faca ou utensílios que tiveram contato com carne crua contaminada;
  • Beber água contaminada pelo parasita toxoplasma;
  • Ingestão de frutas ou verduras que tiveram contato com terra contaminada e não foram lavadas corretamente.

O gatinho só transmite a doença se estiver contaminado, e para isso também precisa ter entrado em contato com o parasita das formas mencionadas acima, por isso é importante:

  • Não oferecer alimentos crus ao seu gato;
  • Não deixar que ele saia e corra risco de contaminação na rua.

Ao ser infectado os gatos eliminam os parasitas através das fezes, e a contaminação ao humano se dá pelo manuseio inadequado com a caixa de areia. Entrando em contato com as fezes e manipulando algum alimento sem lavar corretamente, ocorrendo à ingestão.

Por isso é importante que:

  • Se possível, usar luvas ao manusear a caixa de areia;
  • Lavar bem as mãos após limpar a caixa de areia.

 

Recebendo o Bebê

Para que o gato não estranhe as coisas do bebê, o ideal é que você o deixe participar de todo o processo que antecede essa chegada. Ele precisa se familiarizar com o quarto, o berço e os brinquedos.

Muitos estudos mostram que alergias são menos frequentes em crianças que convivem desde pequenas com gatos, então, não é necessário mudar as coisas do gatinho de lugar e nem evitar a convivência entre ele e o bebê.

Depois do nascimento do bebê é comum ter menos tempo para interação com o gato. Mas, procure separar um tempo para brincar e dar atenção a ele, para que não se sinta rejeitado e com ciúmes.

 

 A Criança

 As crianças não sabem a diferença entre seu pet e seus brinquedos, e por isso podem querer empurrar, puxar o rabo, apertar, e o gatinho pode ter alguma reação negativa  a esse tratamento. Por isso, antes dos dois criarem uma relação de confiança, alguns cuidados são necessários:

 

 

  • O contato da criança com o gato sempre deve ser supervisionado pelos pais;
  • A criança deve ser alertada de como deve ou não tratar o pet. Ela precisa entender que está lidando com uma vida, e que ele sente dor e medo;
  • Nunca gritar ou assustar o gatinho quando chegar perto da criança. Ambos podem relacionar este contato como algo ruim, e resistirem a esta interação.

A relação com os animais também contribui para que a criança se torne um adulto melhor, despertando sentimentos de amor e senso de responsabilidade.

Temos certeza que com essas dicas, e muito amor, histórias de amizades poderão ser contadas.

 

Se você já tem uma linda história pra nos contar, deixe seu comentário neste post.

No Comments Yet.

Leave a comment