Entenda o que é a AIDS Felina e fique atento

Uma das piores doenças que um gato pode contrair é conhecida como a AIDS felina, e tem o mesmo princípio desse vírus que acomete os humanos: a FIV.

FIV é sigla para Feline Imunodeficiency Virus, ou seja, Virus da Imunodeficiência Felina, doença que, como o nome já explica, acomete a imunidade do gato, fazendo com que ele apresente vários problemas aparentemente simples, mas que não respondem a tratamentos eficazes, além de desenvolver as mesmas complicações com frequência. Estomatite, doenças de pele, febre, conjuntivite, feridas na boca, doenças respiratórias, anemia, diarreia, falta de apetite, emagrecimento, etc, são alguns dos sintomas frequentemente encontrados em felinos com a presença do vírus.

De acordo com o que sabe até hoje sobre a AIDS Felina, o vírus FIV é transmitido por meio da saliva dos gatos contaminados em contato com o sangue de outros gatinhos saudáveis. É justamente por isso que a incidência da doença em felinos que vivem nas ruas ou em locais onde há uma grande aglomeração de animais é maior, já que, nestes locais, o contato entre eles é mais intenso, e isso facilita a propagação da doença.

Diferente da AIDS humana, a FIV, em teoria, não é transmitida através das relações sexuais dos gatos. Mas é importante nunca descartar essa possibilidade, pois durante o ato, alguns machucados, como arranhões, podem acontecer. As transfusões de sangue e o nascimento de filhotes de gatinhas infectadas também são fatores que podem ocasionar a transmissão.

O Vírus da Imunodeficiência Felina pode se apresentar de diferentes maneiras e há diferentes estágios da doença. No entanto, assim como no caso dos seres humanos, há gatos que demoram muitos anos até manifestar qualquer tipo de sinal da AIDS Felina, ficando com o sistema imunológico cada vez mais prejudicado e fragilizado durante esse período e, consequentemente, mais suscetível a outras doenças. O felino pode contrair o vírus e não apresentar nenhum sintoma, e ficar com ele alojado no organismo, sem dar qualquer sinal por meses, e até anos, para finalmente entrar num estágio de ataque ao organismo, e a doença ser percebida.

A única forma de diagnosticar a doença nos gatos é com exames clínicos e laboratoriais, por isso é muito importante permanecer atento aos sinais que podem apresentar qualquer indício de que exista algo errado com o seu bichano.

Infelizmente, a cura para a FIV ainda não existe, e os bichinhos que contraem o vírus da doença têm que conviver com o problema para o resto da vida. Existe, entretanto, a possibilidade de viver por anos de forma saudável e com qualidade de vida. Para isso, é necessário que o vírus seja percebido em tempo hábil, e os tratamentos comecem prontamente, através de medicamentos de controle, que são receitados pelos profissionais da área para aumentar a resistência do animal.

Além de um controle rígido com o veterinário, com os medicamentos e consultas frequentes, é necessário que o gatinho seja mantido em um ambiente saudável, livre de contato com outros vírus e doenças, que possam causar infecções e agravamento do quadro.

No Comments Yet.

Leave a comment